Vencedoras da transição - Fevereiro

22.2.16


Olá pessoas, bom dia!

"Tudo na vida é belo, não se importe com os padrões."


Para os navegantes de plantão vou lhes lembrar que em oito de setembro de 2015 realizei o meu último grande corte capilar, retirando toda a minha química. Muitas pessoas me perguntaram se eu fiz TRANSIÇÃO CAPILAR e sempre que respondo que NÃO fiz, todos ficam espantados. 

Muitas pessoas quando querem retirar toda a química passam pela transição de alguma forma, mas a minha não foi tão evidente porque eu apenas estava com a selagem vencida e ao invés de retocar eu cortei o cabelo. Vejam, meus cachos estavam bem pequenos, foram apenas três meses, o que geralmente é o normal para retocar a química.


Então o post de hoje é sobre três vitoriosas que fizeram o BC e passaram pela TRANSIÇÃO. Jessica Ribeiro, Queila Sena e Carolline Rangel. Ambas passaram pela transição e realizaram o BC e atualmente estão exageradamente muito GATAS com o novo visual cacheado. Vamos conhece-las? 



Jessica Ribeiro

Estudante de Pedagogia, 24 anos,soteropolitana.











Queila Sena

Estudante de Jornalismo, 20 anos, soteropolitana.











Carolline Rangel

Estudante de Arquitetura, 20 anos, soteropolitana.








Agora que já conhece as vitoriosas, nós vamos a uma breve entrevista feita com cada uma.

Perguntas:


1 - Quando decidiram entrar na transição e por quanto tempo ficou na transição??



Jessica Ribeiro: Quando iniciei minha transição não sabia que se chamava transição, só vim descobrir depois, conversando com minha cunhada que passou pela transição capilar. Não lembro bem quando e nem a data que inicie, mais quando eu conversei com minha cunhada, já não estava dando alisante e ficava a base de prancha e secador. Depois lendo e vendo vídeos, parei de pranchar e secar. Ai veio a texturização. Lindo e maravilhoso o resultado, até que eu cansei de faz coque, tira coque, faz coque, tira coque e resolvi corta.


Queila Sena: Decidi quando comecei a ter muitas reações químicas, que estavam machucando muito o meu couro cabeludo. Fiquei 8 meses em transição.

Carolline Rangel: Não lembro a data, mas, foi há 1 anos e meio / 2 anos. Fiquei na transição por 7 meses, dei uma química diferente; então fiquei novamente em transição por mais 6 meses, cortei o cabelo para tirar toda guanidina (a primeira química que usava) e dei permanente. Vim cortando o cabelo até tirar toda química em novembro do ano passado. (11/2015).

2 - Receberam apoio de familiares e amigos ou recebeu criticas?


Jessica Ribeiro: Agradeço a Deus primeiro e em segundo ao meu noivo pelo apoio que me deu e foi muito importante e posso dizer que foi fundamental também. Nada melhor, do que está bem e ter o apoio de quem você ama. Recebi algumas criticas por incrível que pareça de familiares. Chateia, mais não dei atenção.


Queila Sena: Recebi Simmm, muito da minha mãe!!! Críticas sempre né ?Todo mundo acha fui louca em cortar o cabelo.

Carolline Rangel: De alguns, minha mãe e um amigo foram quem realmente gostou da ideia e uns amigos da faculdade. Sim recebe varias criticas, e muitas de pessoas que não tem coragem de falar diretamente pra mim porque sabem que vão ouvir um grande: "O cabelo é seu?!" o que deixarei-as sem graça kkkkk.

3 - Quais foram as maiores dificuldades na transição e na nova fase?

Jessica Ribeiro: As dificuldades da transição pra mim foi a texturização e depois do corte até o atual momento, nenhuma.


Queila Sena: Dificuldade foi, manter sempre o meu cabelo preso, pois eu não consegui texturização, porém sabia que iria valer muito á pena, mesmo ficando triste.

Carolline Rangel: Sinceramente, não tive dificuldades. Muitas pessoas dizem que choram horrores, se sentem horrorosas e blablabla. Eu sou muito decisiva. Se quero fazer, eu faço. Geralmente não me arrependo. Não tive surtos até porque não tenho tempo pra isso kkkk Cortei porque quis e o corte supriu minhas expectativas. A única coisa que, digamos, me incomodava, era o fato de não conseguir "manter" o penteado. Logo, tinha que refazer todo o processo de fitagem todos os dias. Mas, nada demais.

4 - Quanto tempo já estão cacheadas e como se sentem atualmente?

Jessica Ribeiro: Cortei em outubro 2015 e hoje tenho quase 5 meses, mais linda e CACHEADA! Amando cada fase e cada resultado. Hoje me sinto super bem, linda, de bem com a vida, determinada graças a Deus. Curtindo muito essa fase, pois, até então não me via fazendo o BC, mais fiz e estou amando ter de volta os meus cachos.


Queila Sena: Estou cacheada, há 1 semana e 3 dias. Hoje me sinto livre!Linda!Sem ter que  sentir vapor quente na minha cabeça, eu estou orgulhosa comigo mesma, por ter deixado meu cabelo natural, e quero continuar pra sempre com os meus cachinhos!!



Carolline Rangel: Cacheada há 8 meses. Natural há 3 meses. Tô de boa kkkk Tô com tranças, o que é legal porque eu fiquei sem tempo para fazer fitagem todo santo dia e as tranças já me deixam "pronta".


5 - Deixem um recado para as meninas em transição:

Jessica Ribeiro: Meninas lindas. Vocês são lindas! Não liguem para a tal da beleza padrão, cada uma de vocês são especiais e tem sua própria beleza. Antes de fazer qualquer coisa, confie em Deus e em você, ai sim você vai está preparada pra qualquer situação. Tente não ligar pra opinião alheia. Pois, você é muito mais do que você pensa. Deus tem o melhor pra cada uma de nós.
Beijos lindas! Forças, vocês conseguem.


Queila Sena: Meninas, não se desesperem não, eu sei que é mmuuuuito chato ver o cabelo preso, com duas texturas, e não poder ter ele natural o mais rápido possível!Sei que dá vontade de alisar, mas pensa no futuro, ele irá está lindo e só seu, não precisará de ir no salão ou ter medo da sociedade, pois você irá sumir o seu Crespo/Cacheado, espero que todas consigam conquistar o tão sonhado cabelo!Beijooo!

Carolline Rangel: Meu recado para quem quer fazer a transição é primeiro entender que aquilo que você realmente quer é ter seu cabelo natural outra vez. Entender que não, ele não vai ficar do jeito que VOCÊ quer porque seu cabelo já tem o jeito dele e, para tê-lo de volta, você precisa aceitá-lo. "Fulano e ciclano" não devem ter impactos em suas decisões quando se tratar de seu cabelo, de sua beleza, do seu bem estar. Mas também, não indico ignorar os comentários preconceituosos que com certeza você ouvirá. Vamos parar de ser bonzinhos com as pessoas que pouco se importam se você está ou não preparado para ouvir certo comentário e não querem saber como isso vai impactar em sua vida, passando a nos defender de maneira coerente, deixando mais do que claro que não aceitaremos comentários imbecis a respeito de nossas escolhas, de nosso cabelo. Acredito que a chave de tudo é entrar nessa fase tendo a certeza de que é isso que você quer. Com esta convicção, o que vier depois você aguenta. Outra questão que acho muito importante é fazer da transição algo legal e confortável. Eu passei por várias químicas e jeitos de usar meu cabelo (e ainda passo) para chegar no natural da forma que desejo. Então, procurem sempre o melhor a fazer para sentirem-se confortáveis com a situação. Nada de "quero meu cabelo natural e vou picar tesoura". Isso não funciona com todas! Cada pessoa tem seu tempo e cada cabelo também. Agir desta forma as vezes pode te decepcionar e acabar com a ideia do cabelo natural.

Bom pessoas pretendo trazer todo mês um post contando as histórias das VENCEDORAS DA TRANSIÇÃO, lembrando que sempre com novas GUERREIRAS



Eu espero que tenham gostado, 
não esquece de participar do blogger
 e das demais redes sócias.

Veja também

0 comentários

Instagram

You Tube